sexta-feira, 21 de maio de 2010

Loucura



Eu quero ficar louco! Ser mesmo doido varrido!!

não quero ser o único são, neste mundo tão insano.

Também quero ver a anormalidade normal, os excessos desregrados como regra!

Ai, mas não posso!

Não consigo libertar-me da minha sanidade, que sinto tão fugaz;

olhando este manicómio global, onde fui despejado.

Podia fugir… mas não quero, não posso, não devo!

Pois, se for o único saudavelmente louco,

rasgarei a alma p’ra libertar o amor.

e o amor... supera a loucura!


Eurico Rodrigues Conde

21/5/2010

Sem comentários:

Enviar um comentário